Ex-jogador de Rugby, Campbell Johnstone se assume gay uma década depois da aposentadoria

Durante sua carreira no rugby, Campbell Johnstone ganhou fama como um atleta com “o melhor ombro direito do jogo”, de acordo com um de seus ex-treinadores.
Ele teve a honra de jogar três vezes pelo All Blacks – a seleção neozelandesa de rugby – um sonho para milhares de jovens jogadores no país, e representou equipes tanto no país quanto no exterior. No entanto, apesar de todo o comprometimento e força demonstrados em campo, Johnstone escondia uma parte de si mesmo.

“Eu amei jogar rugby. E então, um dia, esse outro lado de mim, minha sexualidade, começou a emergir, e eu percebi que eu gostava de homens”, revelou ele à CNN Sport. “Isso não se encaixava na imagem que eu tinha de mim mesmo, e também não fazia parte dos meus planos. Eu simplesmente empurrei esses sentimentos para o fundo da minha mente e não os enfrentei – apenas continuei empurrando e focando nos meus objetivos.”

No mês passado, Johnstone se tornou o primeiro atleta dos All Blacks a se assumir publicamente como gay, quase uma década após encerrar sua carreira no rugby. A reação ao seu anúncio o surpreendeu. Estrelas do rugby da Nova Zelândia, como Ruby Tui e Aaron Smith, entre outros, elogiaram a coragem de Johnstone nas redes sociais. Além disso, o ministro dos Esportes, Grant Robertson, que é abertamente gay, agradeceu a Johnstone por “abrir caminho” e inspirar “as futuras gerações a serem autênticas, felizes e confortáveis com quem são”.
Johnstone jogou em três partidas pelos All Blacks em 2005, além de 72 vezes pelo Canterbury e 38 vezes pelos Crusaders. Ele se mudou para a França em 2009 e disputou mais de 100 jogos pelo Biarritz.

Atualmente com 43 anos, ele afirma que está “em paz” com sua vida pessoal, mas ainda lembra do sofrimento que enfrentou durante seus dias de jogador, quando acreditava que sua sexualidade não se alinhava com o sonho de infância de jogar pelos All Blacks.
“Foi como se eu estivesse dividido entre duas coisas incompatíveis”, disse Johnstone. “Aqui estava o jogo e o esporte que eu amava tanto, mas não podia ser verdadeiro comigo mesmo. Eu senti que estava vivendo uma vida dupla.”

Johnstone espera que, ao compartilhar sua história publicamente, ele possa capacitar outros a fazerem o mesmo. Durante sua carreira, ele nunca considerou assumir sua sexualidade, principalmente porque era uma pessoa reservada e “não estava 100% confortável” com sua identidade na época. Agora, ele fala abertamente na esperança de eliminar o estigma e encorajar os outros a serem autênticos.
Depois de se aposentar do rugby, Johnstone se tornou treinador na Espanha, nos Estados Unidos e na Nova Zelândia. Recentemente, ele visitou um de seus ex-clubes, o Crusaders, para compartilhar sua história e destacar a importância de criar um ambiente de apoio dentro de uma equipe esportiva profissional – algo que ele acredita que impacta positivamente o desempenho em campo.
“Acredito que isso torna a equipe mais forte e eficiente, levando a melhores resultados”, concluiu.