Lula lamenta morte de Roberto Dinamite: “Foi um gigante”

Neste domingo (8), o presidente Luis Inácio Lula da Silva (PT) prestou homenagens a Roberto Dinamite, ex-jogador de futebol e político, que faleceu aos 68 anos pela causa de um câncer no intestino. Em uma nota publicada em suas redes sociais, Lula escreveu: “Roberto Dinamite foi um gigante na história do Vasco da Gama e do futebol brasileiro. Como torcedor do Vasco no Rio, eu admirei muito o seu futebol bonito, ofensivo, e o seu chute poderoso de perna direita, que lhe rendeu o apelido e, consequentemente, o sobrenome.

Além de ser um grande jogador, também se destacou como político, sendo deputado estadual por cinco mandatos e dirigente do Vasco da Gama, onde lutou para modernizar a gestão do clube. Meus sentimentos vão para a família, amigos, vascaínos e admiradores de todas as torcidas do Carlos Roberto de Oliveira, o Roberto Dinamite”. Desde o anúncio de sua morte, confirmada pelo Vasco da Gama, diversos clubes, ex-jogadores e personalidades têm manifestado condolências e prestado homenagens ao jogador, que é considerado o maior artilheiro da história do Vasco.

A carreira histórica de Carlos Roberto Gama de Oliveira começou em 13 de abril de 1954, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, em uma família humilde, como ele mesmo descreveu em sua biografia como deputado na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Sua ligação com o Vasco da Gama começou cedo, aos 14 anos, quando ingressou nas categorias de base do clube, ainda sendo chamado de Calu. Segundo sua biografia no Museu do Futebol, referência do futebol brasileiro, ele fez sua estreia como jogador profissional em novembro de 1971, em uma partida em que o Vasco foi derrotado pelo Bahia. Logo em seu terceiro jogo, contra o Internacional, marcou seu primeiro gol pelo time e foi destacado no dia seguinte pelo Jornal dos Sports, que manchetou: “Garoto-Dinamite explodiu”.

A partir daí, surgiu o apelido que o consagraria na história do Vasco e do futebol brasileiro. Em 1974, Dinamite se consagrou como um ícone do futebol brasileiro, ao liderar o Vasco à conquista do seu primeiro título do Campeonato Brasileiro, sendo o artilheiro da competição com 16 gols. Em 1980, ele se transferiu para o Barcelona, mas pouco tempo depois retornou ao Vasco. No fim de sua carreira, em 1993, jogou o Campeonato Brasileiro pela Portuguesa de Desportos e o Campeonato Carioca pelo Campo Grande A.C. Em seguida, se aposentou dos gramados e investiu na carreira política, sendo eleito vereador em 1992 e, posteriormente, deputado estadual em 1994 pelo PMDB, cargo que ocupou por cinco mandatos na Alerj.