Mulheres lideram esporte brasileiro em 2022 e Alison dos Santos brilha no atletismo

O ano seguinte aos Jogos de Tóquio evidenciou que o esporte brasileiro está fortalecido e preparado para se destacar nas Olimpíadas de Paris, em 2024, com grande contribuição das mulheres. Foram conquistados sete títulos mundiais em provas que se repetirão na França daqui a dois anos, alguns deles com atletas que já haviam brilhado no Japão, como Mayra Aguiar, Rayssa Leal, Rebeca Andrade e Alison dos Santos.
As mulheres lideraram as conquistas do esporte brasileiro em 2022, e Rebeca Andrade teve um desempenho excepcional. Ela se tornou campeã no individual geral do Mundial de Ginástica Artística, sendo a primeira brasileira a alcançar esse feito na modalidade. Além disso, obteve a medalha de bronze no Mundial em Liverpool com uma emocionante apresentação ao som de “Baile de Favela”. Antes disso, já havia conquistado quatro medalhas no Pan-Americano da modalidade, realizado no Rio de Janeiro. Rebeca não foi a única a brilhar na ginástica brasileira em Liverpool; Arthur Nory também subiu ao pódio, recebendo a medalha de bronze na disputa das barras.

Outra estrela brasileira das Olimpíadas de Tóquio, Rayssa Leal, repetiu seus excelentes resultados em 2022. A Fadinha venceu todas as etapas do Street League Skateboarding (SLS) no Rio de Janeiro e se tornou campeã mundial, superando as representantes japonesas. Anteriormente, ela já havia conquistado seu primeiro ouro no X Games.
As mulheres também brilharam no judô brasileiro em 2022. Mayra Aguiar, considerada uma das maiores atletas da história do país na modalidade, conquistou seu terceiro título mundial. Rafaela Silva, após dois anos afastada por um caso de doping, retornou com tudo, conquistando seu segundo título mundial.

No judô, o Brasil ficou em segundo lugar no quadro de medalhas do Mundial realizado no Uzbequistão, com mais duas conquistas: uma prata com Beatriz Souza e um bronze com Daniel Cargnin, que mudou de categoria e se manteve competitivo, subindo do meio-leve (até 66kg) para o peso leve (até 73kg).
No vôlei de praia, esporte em que o Brasil sempre foi referência, mas teve um desempenho abaixo do esperado nas Olimpíadas de Tóquio, uma dupla brasileira se sagrou campeã mundial. Ana Patrícia e Duda, que retomaram sua parceria oito anos depois de conquistarem o ouro nos Jogos da Juventude, venceram o Mundial realizado em Roma. No mesmo evento, as duplas masculinas também conquistaram medalhas: Vitor e Renato levaram a prata, enquanto André e George conquistaram o bronze.

No atletismo, Alison dos Santos foi o destaque entre os homens, sendo imbatível nos 400 metros com barreiras em 2022. Ele conquistou o título mundial com o tempo de 46s29, o terceiro melhor da história da prova, tornando-se o primeiro brasileiro a vencer uma prova de pista no Mundial.
Em destaque no atletismo feminino, Letícia Oro surpreendeu ao ganhar a medalha de bronze no salto em distância no Mundial.
No surfe, um brasileiro foi campeão mundial pela quarta vez consecutiva. Filipe Toledo ganhou duas etapas e venceu a final contra Ítalo Ferreira, medalhista de ouro em Tóquio, mostrando a força da “Brazilian Storm”.
Outros resultados positivos foram alcançados por Ana Marcela Cunha, que foi pentacampeã mundial nos 25km e bicampeã nos 5km na maratona aquática, além de conquistar uma medalha de bronze nos 10km. Nicholas Santos conquistou a prata nos 50 metros borboleta e Guilherme Costa levou o bronze nos 400m livre no Mundial de Esportes Aquáticos, em Budapeste.

No tênis, o destaque ficou com Beatriz Haddad Maia, que saltou da 82ª para a 15ª posição no ranking mundial após vencer eventos em Nottingham e Birmingham, além de ser vice-campeã de duplas do Aberto da Austrália.
Isaquías Queiroz, destaque do Brasil em Tóquio, tornou-se campeão mundial na prova não olímpica C1 500m e conquistou o bronze no C1 1000m, que faz parte do programa dos Jogos.
No boxe, as brasileiras conquistaram duas medalhas no Mundial amador: Caroline Almeida levou o bronze e Beatriz Ferreira conquistou a prata, repetindo seu resultado nas Olimpíadas. Beatriz também teve uma estreia bem-sucedida entre as profissionais, vencendo suas duas lutas. Abner Teixeira, medalhista de bronze em Tóquio, subiu para o peso pesado e venceu todas as lutas em que participou, embora não tenha havido Mundial masculino em 2022.
No Mundial de Taekwondo, o Brasil conquistou duas medalhas: prata com Edival Pontes, o Netinho, e bronze com Milena Titoneli, demonstrando a diversidade de modalidades em que o país se destacou ao longo do ano.